segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Regresso em nome da praia



Depois de uma viagem pelo mundo virtual, tentando encontrar desabafos, lamentos e divagações sentidas sobre os concertos dos Beach House - em Portalegre e em Lisboa -, deparei-me com o vazio absoluto. Incapaz de aceitar um tal estado de coisas, e dado que fiz à volta de 400 quilómetros para os ver num Alentejo cada vez mais esplendoroso, decidi regressar à vida postiana.

Alex Scally, guitarrista, baixista, teclista, programador e génio da lâmpada mágica enterrada na areia, deixou o aviso. A partir do momento em que os Beach House começassem a sua actuação, seríamos assaltados pelas recordações de infância, fossem elas dolorosas, sorridentes, vestidas de preto e branco ou pintadas de todas as cores.

Com "Devotion" a servir de estação principal, e efectuando paragens em vários dos apeadeiros de "Beach House", a banda de Baltimore ofereceu, a quem marcou presença no Centro de Artes do Espectáculo de Portalegre (a 15/11/2008), um concerto íntimo, intenso, único e que, como um doce veneno, se entranhou na pele e passou a fazer parte da circulação sanguínea.

A voz de Victoria Legrand, por entre uma guitarra em slide, uma caixa de ritmos com sentido de profecia, teclados religiosos e uma bateria pronta a seguir a palavra divina até ao fim do mundo, viajava entre a doçura e o assombro, procurando alcançar a redenção.

Diria que este foi um dos concertos que mudou a minha vida. Que, ao mesmo tempo que atravessava o túnel e vislumbrava as descidas pelo escorrega, as viagens no carrossel da feira, as primeiras paixões frustradas e o pesadelo da acne juvenil, me vi lançado para o futuro com a energia de uma criança, pronto a deitar-me num areal de sonho para construir um castelo de areia capaz de tocar as nuvens. Comovente e sublime.

"Heart of Chambers" (video)
"Master of None" (video)
"Gila" (video)
"You came to me" (video)

P.S.: Destaque para a actuação de Jana Hunter que, com a ajuda do elenco Beach House e uma transmutação da vida para o palco, ofereceu um concerto de grande nível.

3 comentários:

Anónimo disse...

Bem vindo de volta, ó Fusco!

Agora não percas o embalo! ;-)

Mariozul

Dr. Strangeluv disse...

Eles são de facto muito, muito bons, oníricos. 'Do we look like strawbetries?' ahaha

A dizer que foi graças a este blog que conheci os Beach House (devíamos estar em Fevereiro deste ano). Só por isso, sinto-me imensamente grata.

Re-benvindo.

Paulo disse...

Então mas que projecto é esse que tem impedido o blog?. Tens que me explicar isso.