quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Os cisnes também voam



Entre a demência e a vertigem, Darren Aronofsky inventou "Cisne Negro" - no original "Black Swan" -, um thriller psicológico onde cabem a castração familiar, a revolução sexual e a competição exacerbada.

Já Natalie Portman, num papel que vale uma carreira, está para o Oscar de melhor actriz como o fêquêpê está para o título: só falta mesmo um danoninho. Terror, intoxicação e vertigem num filme que dificilmente ganhará a estatueta mas que é, para o Fusco, uma experiência cinéfila que nos conduz aos limites do terror e do prazer.

8.5 cisnes (em 10) a dançar num lago cinéfilo.


2 comentários:

du disse...

Subscrevo.
É um filme extremamente cru e duro, capaz de provocar sensações no espectador. Bem ao jeito do Aronofsky.

Lusco Fusco disse...

Será daqueles que ou se gosta muito ou se detesta ao ponto de atirar o sapato à tela. É difícil ficar-se pelo meio termo.